Encontros e Despedidas

Sobre Sapatos e Canetas
23 de julho de 2017
De Nazaré?
25 de fevereiro de 2018

Encontros e Despedidas

Dizem que a vida é cheia de encontros e despedidas. Mas, existe um perigo! Na verdade, um grande perigo: o de transferirmos a transitoriedade de nossa presença nas coisas do cotidiano para nosso relacionamento com Deus. Em outras palavras, existe o grande risco de nossa relação com Pai transformar-se em encontros e despedidas.

Vejo homens e mulheres envolvidos em convivências fugazes, alígeras. Nutre-se um amor na sexta que misteriosamente acaba na segunda. Relacionamentos transformados em envolvimentos, na expectativa de emoções novas, que de fato chegam. Porém, chegam com sua irmã-gêmea: a frustração. Envolvimentos possuem prazos, relacionamentos não.

A humanidade aprendeu a edificar torres imensas, mas não aprendeu a edificar o amor e a convivência. Os homens inventaram aviões supersônicos para chegar rapidamente às maiores distâncias, mas não conseguem chegar ao coração de um irmão. Expressões do tipo “o homem é o lobo do próprio homem” (Hobbes) parecem fazer sentido num mundo fugaz. Mas, nunca – repito, nunca – encontrará sentido no Evangelho do Pai!

No Reino de Deus, ambiente onde a vontade do Pai é feita, as pessoas enxergam, tocam, amam, sentem, ajudam, alegram umas as outras. Esse conjunto de verbos atende pelo nome de: relacionamento.

Deixemos os encontros e despedidas para as situações que, de fato, são necessárias, como nas viagens, por exemplo. A saudade é ônus do viver. Portanto, visite, viaje, perdoe, vá, volte. Agora, não experimente esse vai-e-vem com o Senhor, para isso desfaça as malas daquilo que te afasta de Deus.

Por Raphael Abdalla

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *